FIA e Defensoria Pública lançam cartilha para prevenir o sumiço de crianças

FIA e Defensoria Pública lançam cartilha para prevenir o sumiço de crianças

3 de novembro de 2021 0 Por admin

O programa SOS Crianças Desaparecidas, da Fundação para a Infância e Adolescência (FIA), em parceria com a Defensoria Pública do Rio de Janeiro, lançaram nesta quinta-feira, dia 28, uma cartilha de prevenção ao desaparecimento de crianças e adolescentes (veja no anexo ao final do texto). O intuito é informar sobre como evitar e como agir nesses casos.

  • Ficamos muito felizes com o avanço do Programa SOS nesses 25 anos e com as parcerias estabelecidas. Esta cartilha desenvolvida em parceria com a Defensoria Pública é mais uma conquista da FIA e do nosso estado em defesa e proteção das nossas crianças – disse a presidente da FIA, Cléo Hernams. A FIA está vinculada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.
    A cartilha foi idealizada pelas coordenadorias da Infância e Juventude (Coinfancia), de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (CDEDICA) e Geral de Programas Institucionais (COGPI), com assessoria técnica do Programa da Fundação para Infância e Adolescência (FIA), responsável pelo SOS Crianças Desaparecidas.
    Também está em elaboração um trabalho de integrar as bases de dados da FIA e da Defensoria Pública para agilizar o processo de divulgação e localização dos desaparecidos. O sistema irá disparar um alerta em tempo real com foto e informações do desaparecido sempre que houver um novo caso ou localização. A integração já acontece com o Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos (PLID) e Sistema Nacional de Localização e Identificação de Desaparecidos Ministério Público Estadual e Federal (Sinlalid). O programa

O SOS Crianças Desaparecidas é um programa da Fundação Para a Infância e Adolescência – FIA – e desenvolve ações voltadas à identificação e localização de jovens desaparecidos e sua reintegração à família. O lançamento da cartilha marca também o aniversário de 25 anos do programa, que já ajudou mais de 3 mil crianças e adolescentes a serem localizados, 85% dos cadastrados na base de dados do projeto. Cerca de 568 casos ainda permanecem sem resolução.